Processo Consulta CFM nº 3.918/10 – Parecer CFM nº 31/10 – Exame de Campimetria

 
INTERESSADO: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
ASSUNTO: Exame de campimetria
RELATOR: Dr. Paulo Augusto de Arruda Mello

EMENTA: A campimetria é uma avaliação do campo visual central e periférico, cuja interpretação dos resultados e responsabilidade é exclusiva do médico. Pode ser realizado por auxiliar devidamente capacitado, sob supervisão médica.


DA CONSULTA

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia encaminhou a este Conselho Federal solicitação de parecer sobre a quem compete legalmente a realização do exame de campimetria. Questiona se deve ser realizado somente pelo médico, ou por enfermeiro, técnico ou auxiliar de enfermagem. Questiona, também, se caso o médico não seja o realizador do exame, que fundamentação prática e teórica deve ter o profissional que o realizará.


PARTE EXPOSITIVA

O campo visual é um exame que estuda a percepção visual central e periférica. Quando o médico oftalmologista mede a visão de longe e de perto, está observando apenas a acuidade visual central. A percepção periférica no ser humano é em torno de 180 graus, considerando-se a visão com os dois olhos. A avaliação clínica do campo visual é executada de forma monocular, fato que reduz para 160 graus o campo de visão.

Em muitas doenças esta visão espacial é reduzida e a única maneira de detectar esta perda seria estudando o campo de visão.

É um teste psicofísico que pode variar de um dia para outro, dependendo da capacidade de colaboração do paciente. A falta de concentração no exame, por exemplo, motivada por cansaço, pode falsear o resultado.

Atualmente, utilizamos na campimetria testes que podem ser de confrontação, manual e computadorizado.

A campimetria de confrontação é uma avaliação grosseira do campo visual, mas de grande valia em algumas doenças que provocam hemianopsias (perda de metade de um campo visual), como nos acidentes vasculares cerebrais (AVC) e tumores hipofisários.

O método é dito de confrontação, pois se confrontam o campo visual do médico e do paciente. Assim, o médico se posiciona na frente do paciente, de preferência sentado, com os olhos na mesma direção dos dele. Enquanto o paciente oclui o olho esquerdo, o médico fecha o olho direito e faz a confrontação do seu campo visual esquerdo com o campo visual direito do paciente. Bastará, então, apresentar dedos nos diferentes quadrantes (na distância de leitura para perto) e a meia distância entre os seus olhos e os dele. Quando do exame de crianças, a presença de um objeto no limiar do campo visual despertará a atenção para aquele lado, indicando a presença de visão naquele quadrante.

A campimetria manual é um exame mais detalhado do campo visual, requerendo, para sua execução, um perimetrista atento e bem treinado. Permite detalhado exame do campo visual periférico, o que pode não ser possível com os aparelhos computadorizados. É muito dependente da experiência do técnico, contudo mais adequado em pacientes com grande perda da acuidade visual, pacientes idosos ou debilitados e crianças. Está indicado nos casos de glaucoma, retinopatias e doenças do sistema nervoso central.

Por sua vez, a campimetria computadorizada é um exame útil e o mais empregado na prática clínica oftalmológica, incorporando avanços que aumentam a praticidade de sua realização, bem como sua confiabilidade. Atualmente, é utilizado para várias doenças oculares e neurológicas. Suas principais vantagens são: teste do campo visual pelo método estático (diferentes intensidades luminosas em um mesmo ponto), ao invés do modo cinético, habitualmente utilizado na campimetria manual; redução da subjetividade do examinador; monitorização constante da fixação; capacidade de reteste automático de pontos anormais; múltiplas estratégias de teste, de acordo com a necessidade do examinador.

Os equipamentos apresentam índices de confiabilidade que garantem a qualidade do exame, como perdas de fixação, respostas falso-positivas, respostas falso-negativas, tempo de duração do teste e o short-term fluctuation.

Em todos os tipos de campimetria o paciente deve receber orientações sobre a técnica do exame e como proceder. O ambiente deve ser apropriado para possibilitar a maior atenção possível durante o exame.

Auxiliares de médicos são técnicos que auxiliam na assistência ao paciente, trabalhando sob orientação médica. Realizam exames que serão laudados e interpretados por médicos.


CONCLUSÃO

A campimetria é uma avaliação psicofísica do campo visual central e periférico do paciente, indispensável em várias patologias oculares e neurológicas. A interpretação dos seus resultados cabe exclusivamente ao médico.

A realização da campimetria de confrontação exige conhecimento médico e, portanto, deve ser realizada por esse profissional.

A campimetria manual pode ser realizada por médicos ou por auxiliares de médicos, com experiência e sob supervisão médica.

A campimetria computadorizada, realizada em equipamentos que apresentam ao médico índices de confiabilidade para a sua interpretação, pode ser feita por médicos e o aparelho pode ser operado por auxiliares de médicos e por outros profissionais treinados por oftalmologistas. Os profissionais devem ser treinados para o apropriado manuseio do equipamento, capacitados para orientar o paciente sobre a técnica do exame, saber analisar o comportamento do paciente no exame e ter conhecimento da relação profissional-paciente. Devem também ter noções das condições de higiene do equipamento.

A responsabilidade do exame é totalmente do médico.

Este é o parecer, SMJ.


Salvador-BA, 29 de setembro de 2010

Paulo Augusto de Arruda Mello
Relator Membro da Câmara Técnica de Oftalmologia do CFM

José Fernando Maia Vinagre
Coordenador da Câmara Técnica de Oftalmologia do CFM

 
CBO TV
FeCOOESO 2006
Praia do Flamengo, 66 - Bloco B/sala 303 - Rio de Janeiro, RJ - CEP: 22210-030 - Tel./Fax (21) 2556-5803