Esperança para o tratamento de ceratocone

 
2/3/2011 09:21:00

Dados de 2009 apontam que cerca de 70% dos pacientes que estavam na fila por um transplante de córnea sofrem de ceratocone, doença que torna a córnea "bicuda" e, assim, degenera a visão. Porém, um tipo de tratamento, já implantado no Brasil, está contibuindo para diminuir este número: o Cross Linking.

Segundo o Dr. Pedro Piccoli, diretor do Hospital Barigui de Oftalmologia, o Cross Linking é um tratamento cirúrgico que visa estabilizar o ceratocone e está indicado principalmente para os casos mais brandos e iniciais da doença, quando esta mostra sinais objetivos de evolução. Antes desta técnica, o transplante de córnea e a implantação dos anéis intracorneanos (segmentos de anéis de acrílico transparente que são implantados na própria estrutura da córnea para dar maior solidez e estabilidade) eram as soluções mais recorrentes.

O Cross Linking é um procedimento terapêutico bem menos agressivo do que os demais. O transplante de córnea, por exemplo, traz diversos riscos, como alto astigmatismo, anisometropia, rejeição, infecção, glaucoma e catarata. Além de ser menos invasiva, a nova terapia consegue controlar a progressão do ceratocone pós-cirurgia.

Durante o processo cirúrgico, o epitélio da córnea é retirado por meio de raspagem com um instrumento especial. Aplicam-se de cinco em cinco minutos gotas de colírio Riboflavina a 0.1% (vitamina B12), que é absorvido pela córnea. Em seguida, emite-se raios Ultravioleta A (diferentes dos raios solares Ultravioleta C), absorvidos pela Riboflavina. O paciente permanece por três ou quatro dias com lentes de contato para cicatrização do epitélio corneano.

A luz Ultravioleta A aumenta a resistência e a rigidez da córnea, interrompendo, deste modo, a evolução do ceratocone. Segundo Piccoli, o uso de óculos ou lentes de contatos poderá continuar sendo necessário como auxílios óticos.

Antes e após o procedimento, o paciente necessita submeter-se a avaliações oftalmológicas periódicas para monitorar principalmente as eventuais alterações da curvatura e da espessura corneana, além, evidentemente, de outros parâmetros oculares.

Dor de cabeça, coceira nos olhos e dificuldade para enxergar (sensação de visão com "fantasmas") mudanças frequentes do grau dos óculos, principalmente dos astigmatismos, são os principais e mais comuns sintomas do ceratocone. Segundo Piccoli, a doença tem maiores chances de ser controlada se detectada no início. O ceratocone pode surgir em qualquer pessoa, principalmente durante a adolescência. "Nas fases iniciais da doença a abordagem costuma ser simples, e nos casos em que se mostra evolutiva, quase sempre se consegue evitar ou retardar seu avanço", destaca o oftalmologista.

 
CBO TV
FeCOOESO 2006
Praia do Flamengo, 66 - Bloco B/sala 303 - Rio de Janeiro, RJ - CEP: 22210-030 - Tel./Fax (21) 2556-5803