Sabe como atuar perante a um cão guia?

 
Vamos deixar que ele mesmo explique:




Olá! Sou um cão guia e quero ensinar como você deve atuar quando se encontrar comigo em companhia do meu dono cego.

Antes de mais nada, deixe-me dizer que eu sou um cão de trabalho, não um mascote.

Quanto mais você me ignorar, melhor será para mim e para o meu dono.

O meu comportamento e a minha forma de estar são totalmente diferentes da dos outros cães e a minha dupla função de guia e de companheiro do meu dono cego deve ser respeitada.

Por favor, não toque em mim e nem me acaricie quando eu estiver trabalhando, ou seja, quando me ver com o arnês (uma espécie de colete que se encaixa uma alça metálica, que une o cão à pessoa que permite ser guiada por ele).

Se fizer isso, pode me distrair e eu nunca posso falhar com a minha função.

Repito: o mais adequado é me ignorar. E não tenha, de forma nenhuma, medo de mim.

Nós, cães guias, somos muito bem adestrados e nunca seríamos capazes de te fazer mal sem motivo.

Mas ouve bem: se estiver com outro cão, por favor, controle-o para evitar que possa acontecer algum acidente quando passar ao meu lado ou ao lado do meu dono cego.

Por favor, não me ofereça guloseimas ou alimentos, o meu dono encarrega-se disso com muita dedicação.

Estou bem alimentado e tenho um horário estabelecido para ir comer.

Quando você se dirigir a uma pessoa cega acompanhada de um cão guia, como eu, fale diretamente para ele e não para mim.

Se um cego, com um cão guia, te pedir ajuda, aproxima-se dele pelo lado direito para que eu possa manter-me à esquerda.

Ele ordenará que eu lhe siga ou então pedirá para segurar no seu cotovelo esquerdo.

Nesse caso, ele me dará uma espécie de senha para me dizer que eu estou, temporariamente, fora de serviço.

Se um cego com um cão guia lhe pedir que indique uma direção, dê-lhe indicações claras sobre o sentido para o qual ele se deve voltar ou seguir para chegar ao lugar que deseja.

Não corra nem agarre o braço de um cego com um cão guia sem falar com ele antes. E, por favor, nunca toque no meu arnês.

Só o meu dono, para o qual trabalho, deve fazer isso.

Nós, cães guias, temos horas e lugares pré-determinados para fazer as nossas necessidades.

Eu, como cão guia, estou habituado e habilitado a viajar em qualquer meio de transporte encostado aos pés do meu dono cego, sem causar incómodo aos outros passageiros, seja dentro ou fora do país!

Em função do rigoroso treino que temos, nós, cães guias, estamos habituados e habilitados a permanecer junto aos nossos donos em qualquer tipo de estabelecimento, tanto de saúde como em centros comerciais, restaurantes, supermercados, cafeterias, cinemas, teatros, centros de estudo ou de trabalho, etc., sem causar alteração ao normal funcionamento dos mesmos nem incómodos aos outros clientes ou funcionários.

Nos locais de trabalho, os donos de cães guias estão habilitados a exercer as suas funções connosco ao seu lado. De acordo com o treino que recebemos, nós nunca vagueamos pelos recintos por nossa conta e risco. Ficamos encostados aos pés do nosso dono cego.

Os cães guias têm o mesmo direito que os donos para gozar de livre acesso a todos os locais públicos.

Obrigado!

 
CBO TV
FeCOOESO 2006
Praia do Flamengo, 66 - Bloco B/sala 303 - Rio de Janeiro, RJ - CEP: 22210-030 - Tel./Fax (21) 2556-5803